quantos estao lendo agora

gostou? recomende


segunda-feira, 30 de julho de 2012

Avc sofrido em abril de 2011



Eu, CARLOS ALBERTO , 61 anos completos, brasileiro, casado, aposentado por tempo de serviço em 199 . Sofri um AVC – Acidente Vascular Celebral  no dia 28 de abril de 2011, podendo ser confirmado (uma veia do celebro entupida e sem poder operar) com os exames de Ultrassonografia, Eco-carótidas, Raio X do tórax, Arco-aortografia, Angiografia celebral, Tc do crânio, Ressonância magnética, Além dos médicos que estão me acompanhando, são Drª Lígia Almeida –clínica médica –  Drª Alba Gean – neurologia –  Dr Hermano Barros – cardiologista –  Drª Patrícia Caryri –   Drª Thacira Dantas – angiologia vascular –  Dr Gustavo Siqueira – angiologista vascular –  Drª Margareth –fisioterapeuta –  Karine - Prof. de Hidroginástica –.Agradeço a Deus todos os dias por estes anjos na terra em meu caminho.

No dia 22 de maio de 2012, devido a perna está inchando e doendo muito fiz uma consulta particular com a Drª Patrícia Cariry e ela solicitou os seguintes exames: Aortografia + Arteriografia MII.
No dia 27 de maio de 2012 devido a forte dores fui ao Hospital Regional e fui atendido pela Drª Thacira Dantas , apresentando claudicacão ( dor em repouso em MMII , principalmente MID, fui encaminhado ao ambulatório de vascular do Hospital João XXIII.

Foi marcado um CATETERISMO para o dia 27 de junho de 2012 requisitado pelo Dr. Gustavo Siqueira, não realizado porque só parei a         medicação metformina 24 horas antes, era para parar 48 horas antes, remarcado para o dia  03 de julho de 2012 e outra vez não foi realizado por não ter anestesista por que sofro de CLAUSTROFOBIA.

O Dr. Gustavo Siqueira encaminhou-me com a ordem de serviço autorizada pela Drª Elizabeth Cavalcante de Menezes ( Gerente de Regulação )  e o laudo para solicitação/autorização de procedimento ambulatorial para à Secretaria de Saúde para marcar exame no Hospital SANTA CLARA.

 CARLOS ALBERTO - carlllosalllberto@ig.com.br
                                       

domingo, 29 de julho de 2012

Não faltaram alertas...


                       Gente ! espero que esta possa servir para muitos(as):


                        Meu nome é Claudio Fernandes,nascido em 10 de abril de 1960 em São Paulo,fumante e usuário de bebida alcoólica(diariamente) entre 1981 à 2004.Constatei que sofria de hipertensão em 1984,mas não dei uma atenção especial à isso, e em 2001 sofri um AVC isquêmico.

 Fiquei uns 4 dias internado,e saí do hospital sem sequela nenhuma,e o pior foi que mesmo assim não parei de fumar nem beber,nem fazer uso de medicamentos. Em 2002,sofri outro AVC  isquêmico,e novamente fiquei uns 4 ou 5 dias internado e saí sem sequela nenhuma,e acreditem: mesmo assim não parei de fumar,nem beber,nem fazer dieta,nem fazer uso de medicamentos. 

Comecei trabalhar na área de Processamento de Dados por volta de 1980,e nessa época dos AVC's eu trabalhava como Analista de Produção(muitas vezes até mais que 10 horas por dia,durante semanas),e por pura ignorância, Eu atribuía esses problemas de saúde ao grande número de horas trabalhadas. 

Em 14 de agosto de 2004(num sábado) por volta de 15:00hs. Eu estava sozinho em casa lendo uma Bíblia,quando senti uma fortíssima  dor na parte de cima da cabeça como que se fosse estourar a cabeça. Lembro que tentei ir ao banheiro pra deixar cair água quente do chuveiro(costumava fazer isso nas dores de cabeça),mas já cheguei no banheiro como se fosse um cachorrinho(cheguei andando de quatro). Abri o chuveiro,estava ajoelhado,e não lembro mais nada.

Minha esposa(na época) chegou em casa por volta de 17:00hs,e me encontrou desmaiado no chão do banheiro,com o corpo todo roxo,pois pelo fato do chuveiro estar aberto esse tempo todo,a resistência queimou e a água era fria,enfim,depois de alguns gritos de socorro, Deus a iluminou para que ela chamasse a Ambulância Resgate.

Rapidamente eles chegaram e me levaram direto para o PS da Praia Grande(SP) já com o diagnóstico de AVC.Chegando lá após uma intensa briga dela com o hospital,me colocaram na UTI,onde fiquei internado em coma induzido por 19 dias com o diagnóstico de AVC Hemorrágico,e após o 19º dia fui transferido para um quarto onde fiquei mais 3 dias(nesse período minha pressão chegou a 30X30).e não me operaram porque a chance de suportar uma cirurgia era menos que a mínima.

Fui desenganado muitas vezes pois o meu estado era desesperador,e a minha esposa alertada a todo momento para um muito possível óbito. Mas no 23º dia me mandaram pra casa.Eu estava completamente abobado,lado esquerdo totalmente flácido e sem movimento algum,muito dormente,não lembrava de quase nada(pessoas,coisas,etc...),mas olhem que interessante  o que Eu estava lendo na Bíblia, Eu lembrei,quase 30 quilos menos(perdidos nesses 20 e poucos dias). 

E foi aí que a luta começou,e para resumir: faço fisioterapia até hoje. Usei cadeira de rodas durante 2 anos e pouco,usei bengala de 4 pontos(hoje uso uma bengala simples),dieta rigorosíssima,não fumo,nem  bebida alcoólica,e uso muitos comprimidos pra pressão,coração,dormença,controlados,uns 20 por dia.meu lado esquerdo continua dormente,inclusive a metade do lado esquerdo é dormente. Mas vamos falar de coisa boa,pois devo agradecer muito à Deus pois a força de vontade que Ele me dá é essencial.

A minha última cartada foi entrar na aula de violão.Confesso que estou sentindo muita dificuldade pra fazer os acordes,mas vou até onde der, com a graça de Deus. Gostaria de conversar com outro sobreviventes,principalmente sequelados de AVC,voces podem me encontrar no (claudio.piranga@hotmail.com). Boa sorte à todos ...

sábado, 14 de julho de 2012

Em recuperaçao após AVCH


Meu nome é Marcos Simão Lima e venho relatar a todos que passaram por isso e espero ajudar um pouco com minhas palavras.
Em junho de 2008 sofri um AVC hemorrágico gravíssimo, e uma coisa que a todos falo: não senti nenhuma dor, forte de dor de cabeça, nem desmaiei. Estava na oficina sentado vendo o rapaz que trabalha me fazendo um serviço de funilaria e senti uma vontade de vomitar apenas, e fui tentar me levantar e não conseguia andar, e nem caí. Mas o rapaz viu meu estado pois meu lado esquerdo caiu todo como um boneco de pano a boca entortou e nisso ele me segurou pela cintura e me levou ao fundo e eu liguei ainda a minha esposa falando que nao estava me sentindo bem e ela chamou meu cunhado e foram me buscar.
Isso era umas 10 horas da manha e meu cunhado e esposa me colocaram no carro e eu logo que o carro começou a andar, vomitei muito mesmo e meu cunhasdo correu muito com o carro ate uma viatura estranhou e foi na captura sem saber o que estava acontecendo e minha esposa segurado minha cabeça pois ficava caida pro lado esquerdo chegando no pronto socorro a viatura entrou atrá e viram que se tratava de algo serio e os policiais ajudaram a me por numa cadeira de roda e me levaram a emergência ate ai tudo bem, me medicaram no que podia e passando o tempo viram que se tratava de algo gravíssimo.
Minha pressao arterial nao coseguinham estabelizar e falar tem que ser transferido as clinicas ou hgp(hospital geral do pirajussara) e minha esposa optou por hgp pois seria mais proximo a nós e fui pro hgp e la logo fizeram uma tomografia e eles falaram vamos tentar reverter com medicamentos senao tera que fazer cirugia  e quando fui a cirugia era 8 da manha terça ,quero dizer sofri o avc no dia 15 numa segunda feira e quando fui fazer a cirugia era na terça as 8 da manha ate  e as 16 hora da terça deram o resultado falando que a cirugia tinha sido um sucesso,agora tem que aguardar as primeiras 48 horas pra ver se resistiria(primeiras horas criticas)passaram essas horase fiquei um mes na uti correndo o risco de ficar um vegetal e como estava intubado fui pra semi intenciva e me submeteram a uma traquiostomia , e a tds falo nao sabia nada que estava acontecendo,mas a tds venho falar deus estava sempre do meu ladodesde a hora que sofri o avc enfim a tdo momento.
Fiquei no total de dois meses no hgp , e tive alta e sai numa cadeira de rodas traquiostomia e sonda e fraudas ,primeiro meu sobrinho me fazia fisioterapias em casa e logo minha esposa conseguio me encaixar no lucy montoro onde sou paciente ate hj pois passo em medicos ,entrei la na cadeira de rodas e com os tratamentos la oferecido consegui ir melhorandocada vez mais pronto amigos é isso e me desculpem tb fiquei um ano usando cadeira de rodas e hj amigo falo nao uso mais cadeiras de rodas nao ando totalmente certinho mas ja fico em pé e com uma bengala de quatro pontos consigo andar com dificuldades mas bem melhor que no começo,pois nem força no tronco tinha, meu braço e mao esquerda ainda nao tem movimentos e tenho uma vista afetada tb pelo avc a direita,  mas falo a tds nunca desistam e tenham fé pois deus existe e para muitos medico la eu nao iria sobreviver e se ficasse vivo iria vegetar  nada disso hj estou aqui a testemunhar a tds que existe um deus do impossivel mesmo e sou prova viva disso.
Espero ajudar essa poucas palavras. Hoje faço fisioterapias, pra cada dia tentar mais ainda melhorar , estou no facebook como marcos simao lima se quiserem é só me procurarem pois tenho testemunho a dar,pois esta vivo ja é o milagre amigos deus abençoe a tds e cuidado com pressao alta uma das causas principais de meu avc

sexta-feira, 13 de julho de 2012

Rápido atendimento salva vida


Meu nome é Luana e relato a experiência com o AVC Hemorrágico no hemisfério esquerdo.

Meu pai, 62 anos (aparentando no máximo 50), não bebe, não fuma, não se alimenta mal e é extremamente ativo. Porém, relapso com a saúde e de um nervosismo fora do comum.

Hipertenso, com histórico familiar de muitos óbitos por conta da pressão alta e mesmo assim, só procurou médico em 2002 e desde então, tomava o mesmo medicamento. Dez anos tomando a mesma dosagem e sem qualquer indicação. Não sabemos como ele conseguiu comprar os remédios com aquela velha receita (ainda em sua carteira e remendada com fita adesiva) por tantos anos. E teimoso como é, não ouvia nossos pedidos de atenção com a saúde.

Dia 13-06-12, acordou cedo, realizou as atividades de rotina normalmente, porém sentiu muita dor de cabeça e se sentou no sofá da sala com um copo de água. Coisa que jamais faz. Minha mãe já atenta a essa alteração de comportamento, correu perguntar o que estava acontecendo e ele relatou uma forte dor de cabeça e dormência no braço esquerdo. E teimando que já estava passando e não precisava ir ao médico. Menos de 5 minutos depois, percebemos o lado direito todo paralisado.

Corri e liguei para o SAMU (que estou esperando até hoje), liguei para o vizinho e para um primo. Cerquei de opções, o primeiro que chegasse, já levaria ao hospital mais próximo.
Tudo isso, pq meu avô havia falecido 8 dias antes de um AVC isquêmico, infelizmente já conhecíamos aqueles sintomas de perto.
Em 20 minutos ele estava sendo atendido no hospital público mais próximo de casa, isso foi muito importante, embora tenhamos convênio médico, o socorro de um AVC tem que ser imediato e o caminho até o hospital particular era longo e com intenso trânsito as 7 horas da manhã. 

Os médicos do primeiro atendimento nos disseram que só conseguiram salvar a vida do meu pai, pelo rápido socorro. Por isso a importância de não deixar ''só uma dor de cabeça'' pra lá.
Ficou 7 dias na U.T.I e 3 no quarto, depois teve alta com indicação de várias consultas médicas e remédios. O que ele deixou de fazer a vida inteira e teve como consequência uma enfermidade tão grave.
Amanhã faz 1 mês do AVC e meu pai já está com o intelecto quase 100% recuperado. No início ele ficou extremamente confuso e com a memória recente afetada. 

O lado direito movimentando com a ajuda da fisioterapia e já consegue ficar de pé e dar alguns passos na barra e o braço já levanta e a mão já aperta. Não com os movimentos totalmente preservados, mas com uma evolução muito rápida.

Pressão arterial controlada, melhor que do resto da família toda rs
Infelizmente continua sendo uma pessoa muito difícil, nervosa, irritada e agressiva. Que podem aumentar as chances de um novo AVC.
Escrevo, pois esse site me ajudou muito nos primeiros dias de angustia e procura por informações. E para que quem está passando pelo mesmo, entenda que cada caso é um caso e depende de N fatores, mas que finais felizes existem e a recuperação depende de muito esforço, paciência e bons profissionais.

Obrigada, Luana Pagliare - Campinas -SP.

quarta-feira, 11 de julho de 2012

Retomando a vida normal



Ola para mim ainda é muito dificil falar a minha historia, mas por coincidencia ou não aconteceu exatamente como a da mariana no ano passado eu tb tinha 27 anos tive todos os sintomas q ela teve fiquei 13 dias na UTI e mais foi no mesmo mes dia 19/09/2011,
Só quem passou por isso sabe a dor não fisica pois esta passa mais psicologica as vezes demora e dessa acho q não me recuperei ainda o medo, ainda tomo anticoagulante e anticonvulsivo luto todos os meses com valor tap para chegar num nivel bom, mas a vida continua estou no ultimo ano faculdade, serviço social, trabalho e levo uma vida normal com algumas restrições...mais estou feliz por estar viva e continuar lutando..
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

TRANSLATOR

Google-Translate-ChineseGoogle-Translate-Portuguese to FrenchGoogle-Translate-Portuguese to GermanGoogle-Translate-Portuguese to ItalianGoogle-Translate-Portuguese to JapaneseGoogle-Translate-Portuguese to EnglishGoogle-Translate-Portuguese to RussianGoogle-Translate-Portuguese to Spanish
Translator Widget by Dicas Blogger
Edit this page (if you have permission) | Report abuse Google Docs -- Web word processing, presentations and spreadsheets.