quantos estao lendo agora

gostou? recomende


domingo, 12 de setembro de 2010

CONVIVO COM AS SEQUELAS DO AVC

Estava tomando um chopp com a minha filha, voltei para casa, tentei abrir a porta e mais nada...
Tive um AVC isquemico, fiquei quinze dias no hospital entre CTI e quarto.
Voltei para casa paralítica do lado direito, numa cadeira de rodas, usando fraudão e ninguém entendia nada do que eu falava.
Fiquei revoltada com as sequelas do AVC e queria morrer.
Mas não há nada que o tempo não cure. Comecei a reabilitação e a tomar os remédios para que não aconteça de novo.
Já se passaram três anos, hoje eu ando com a ajuda de bengala, meu braço começa a dar o ar da graça e eu convivo com as sequelas numa boa.
A revolta e a vontade de morrer ficaram para trás, hoje eu sei que posso recuperar mais ainda do que já recuperei.
Ainda não ando sozinha por medo, mas vou andar.
Hoje faço fisio e hidroterapia, o que está me ajudando a melhorar.
Falo normalmente, mas continuo lendo todo dia e já estou escrevendo com a mão esquerda.
O ganho é fruto de exercícios repetitivos. É lenta a reabilitação mas vale a pena.
O AVC me deu paciência, acabou com a ansiedade. Estou mais calma e feliz.
Acho que o AVC me ensinou a dar mais importância a pequenas coisas que antes passavam batidas. Fiz um blog onde dou dicas para os sequelados, artigos de interesse de quem teve AVC, e escrevo como se fosse um diário, o endereço é: anamargarit.blogspot.com
Um beijo para todos, aguardo vocês lá.
Ana Margarit

segunda-feira, 6 de setembro de 2010

"A manhã em que não me levantei nem falei"


"A manhã em que não me levantei nem falei" já faz 7 anos. Estava com 41 anos, era médica homeopata, meu filho tinha 14 anos, era separada do seu pai e namorava há 4 anos. Muito tempo se passou desde aquela manhã fatídica em que tive o AVC isquemico devido uma cardiopatia hereditária.
Fiquei com déficit de memória e dificuldades na fala e nos movimentos do lado direito do corpo. Fui melhorando em pequenos passos, até que agora já me acho pronta para escrever um livro "Amor e Coração de uma mulher, antes e depois de um AVC" e ter um blog "avc-culinariavegetariana.blogspot.com".
Nada é por acaso... Sei disso mesmo só agora. Precisava mudar e fazer outras escolhas. Tenho hemiparesia direita e minha fala um pouco alterada, mas uma vontade enorme de receber e doar.
Foi muito bom encontrar voces...
Marcia Martins

sexta-feira, 3 de setembro de 2010

Espelhinho



Há muitos anos atrás, no tempo em que a minha mãe era ainda uma criança, ela recebeu um apelido carinhoso de sua madrinha, devido à alegria e vontade de vencer daquela pequena menininha. Ela era chamada de espelhinho, ou seja, um espelho que refletia as pequenas coisas, com luz e intensidade.
Mesmo sem saber do seu antigo apelido, eu sendo sua filha, e observando a forma de como a minha mãe era, eu lhe dei outro apelido, que era minha “estrelinha” o que para mim ela sempre me trazia de volta a luz, que às vezes se escondia tão fundo, e tão longe, na criança que fui, na jovem que me tornei, na mulher que sou, e muitas vezes precisei daquela estrelinha, que sempre me trazia para a realidade da vida, me fazendo sentir o calor do sol, me mostrava às mudanças da lua, e assim me ensinava como tudo pode brilhar novamente, e esta é a minha admiração pela minha querida mãe. E ela por mais que estivesse apagada, sempre tinha uma chama nem que fosse pequena, para ser alimentada, sempre virava um clarão de luz, sobre tudo, e sobre todos...! Não há como negar que naquela meiga pessoa, existia uma forte e grande mulher.
Mesmo que o meu tempo, o de agora que me remete ao um longo processo de ser pratica, e continuamente calma, tentando me resguardar ao Maximo, rezando diariamente para que a minha mãe melhore dia após dia... e assim vou lembrando e vou repassando toda a minha vida como se fosse um filme, com todas as coisas melhores do mundo de quando eu precisava e a tinha sempre por perto... como era bom! até mesmo as implicações que ela sempre teve comigo eu sinto saudades, deste tempo que foi ontem mesmo, e que em dois tempos, tudo mudou...
Ai!!! Os meus pensamentos, a maior parte do tempo, que mesmo distante fisicamente, eu não consigo tirar da minha cabeça, que estou falando da minha mãe, ah! Minha querida mãezinha, que requer os cuidados dos filhos, que requer tudo que uma criança precisa. O carinho, e amor, que ela sempre nos deu, hoje é a prova, não é nada pedido, e não chegam a ser nem de longe tudo que ela fez por nós, e não se trata de retribuir, não se trata de troca, porque quando nossa mente e corpo são saudáveis, parece que somos eternos, e de repente tudo pode ser mudado, como num piscar de olhos...
Tento ir me remodelando com esta nova realidade que tenho, sou uma filha, que aos poucos começo a tomar o lugar de que era da minha mãe, sou eu que lhe dou banho, lavo o seu cabelo, e coloco suas roupas, dou-lhe sua comida, notei que ainda é tão bonita, sem maquiagem, tem as feições tão lindas, tem seu corpo bem cuidado.... coisas que são tão básicas, para qualquer um de nós passa sem vermos que a vida é tão valiosa!
E eu me pergunto meu Deus, como pode ser assim?!

Sinto que a necessidade dela é tão real, que a deixa a ser novamente, uma criança de 80 anos, que teve um AVC, que se esqueceu de tudo, às vezes volta, e me olha como se compreendesse, não sei se chega a me perguntar ou afirmar, quando diz meu nome, e ainda diz que sou sua filha, e eu fico tão feliz, por pequenos momentos, e no meu intimo eu sei que são pequenos e mais que valiosos instantes!

Rezo para que a cada dia ela possa ainda ser a minha mãe, maezinha de sempre.
Mas na maioria das vezes, ela não me reconhece e não tem nenhuma ligação comigo, e eu sofro por vê-la assim, e como sofro... por não ter mais aquela “estrelinha” perto de mim. Meu pequeno espelho, meu espelhinho querido, que ria de tudo, porque queria transmitir o melhor que ela podia me dar. Aquela mãe que trazia bondade e sabedoria em suas palavras, em seus pensamentos rápidos, e em sua memória perfeita... Aí, aí, aí! Como quero a minha mãe de volta! Como quero que a minha “estrelinha” volte a ser luz!

DMDA
01/09/2010

quarta-feira, 1 de setembro de 2010

Com fé!

No dia 29/07/10 a noite, minha mãe passou mal e desmaiou. Enquanto a levávamos para o hospital, ela vomitou, dizia que estava tonta, com frio. Enfim, chegamos na clínica, a pressão arterial estava altíssima, e o médico disse que era suspeita de AVC.
Deu medicamentos para baixar a pressão, encaminhou para tomografia e disse que ia interná-la no CTI. Levamos para o setor de tomografia, fez o exame e quando estávamos indo para o RX, ainda na cadeira de rodas, ela fez uma cara de muita dor, dobrou os dedos das mãos levantando-as e dizendo: ai tá dando uma dor... e logo em seguida a cabeça caiu pra trás com os olhos abertos como se estivesse morta.
Eu gritei pro maqueiro: corre... ele correu pra emergência novamente e o médico disse que ela teve uma parada e intubaram ela. Resumindo... não tinha vaga no cti da clínica e fomos de ambulância para a Clínica Ênio Serra, onde se encontra no cti até hoje. Ficou alguns dias em coma induzido e dps de 5 dias, estava sem sedação e sorrinho.
Ela mexe as mãos,os braços, a cabeça, sorri, ainda não vi mexendo as pernas, não está falando, não sei se é pela traqueostomia, percebi que está meio confusa. Dps de 11 dias fez traqueostomia, isso deixou-a mais confortável. Teve pneumonia, febre. Agora já está sem febre, a infecção pulmonar já está cedendo, a pressão está controlada.
Ela precisa fazer um exame chamado arteriografia, mas o médico diz que o quadro clínico dela precisa melhorar mais um pouco, por não se tratar de quadro de risco iminente de morte. E nesse exame será avaliado se terá que se realizar uma cirurgia ou uma embolização. Diz o médico que trata-se de um aneurisma grande e de difícil acesso cirúrgico. Bem... eu me sinto muito mal quando lembro do episódio que ela caiu com a cabeça pra trás com os olhos bem abertos, que inclusive só e o maqueiro do hospital, vimos. Mas precisava deixar meu depoimento pra vcs. Vcs todos estarão em minhas orações e peço que orem pela minha mãe, pq esse exame é arriscado, mas TENHO MUITA FÉ E VOCÊS TAMBÉM TÊM QUE TER.
ABRAÇOS.

Adriana.
20/08/10

No dia do aniversário...

Oi, pessoal

Queria dividir com vocês a minha história, meu nome é Débora, tenho 36 anos, e também tive um AVC.

Faz 3 anos que tudo aconteceu...não conhecia nada da doença, e nem sabia que ela existia. Tinha muita dor de cabeça, minha vista escurecia, e nem por isso procurei um médico. Depois do AVC fiquei muito sensível, choro por qualquer coisa.

Hoje tenho alguns limites, mas estou bem. Não dá para trabalhar (ainda), pois sou arquiteta. Agora preencho todo o meu tempo com terapias. Não gosto que mexam nas minhas coisas, e nem gavetas ( afinal, estou viva !).

Era dia do meu aniversário, então fui tomar banho, no final da tarde ( pois iria receber as pessoas a noite). Passei mal no banho, e tive uma dor de cabeça muito forte. Graças a Deus, tive muita sorte, pois meu marido e minha filha (que na época tinha 6 anos) me socorreram e me levaram pro pronto-socorro. O médico que me atendeu disse: “Oi eu sou o marido da Paula”( ela era minha conhecida). Entrei em coma, usei traqueo (fiquei com uma cicatriz horrível), e depois que sai do coma fiquei mais 2 meses no hospital. (Não lembro de nada, ah também perdi o aniversário da Júlia).

No hospital rasparam meu cabelo ( que era comprido) para fazer uma operação , no cerebelo ( foi o que disseram ). Estou escrevendo, devagar pois só uso um dedo.

É muito difícil , e doloroso.

Débora
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

TRANSLATOR

Google-Translate-ChineseGoogle-Translate-Portuguese to FrenchGoogle-Translate-Portuguese to GermanGoogle-Translate-Portuguese to ItalianGoogle-Translate-Portuguese to JapaneseGoogle-Translate-Portuguese to EnglishGoogle-Translate-Portuguese to RussianGoogle-Translate-Portuguese to Spanish
Translator Widget by Dicas Blogger
Edit this page (if you have permission) | Report abuse Google Docs -- Web word processing, presentations and spreadsheets.