quantos estao lendo agora

gostou? recomende


domingo, 29 de setembro de 2013

35 anos, 11 após AVCH


Meu nome é David Simon, moro em São Paulo, tenho 35 anos, e há 11 anos  atrás eu tive uma intervenção cirúrgica no Hospital Albert Einstein por causa de um AVC hemorrágico.
 Uma dor de cabeça muito forte, uma desorientação espacial e uma dificuldade na fala foram alguns sintomas que me levaram ao hospital.


 Meu pai é médico e, ao me ver, em casa, percebeu que era algo sério e me levou direto ao hospital.
 Quando cheguei ao hospital, fizeram diversos exames e detectaram a existência de uma má formação congênita. Uma veia capilar, que ao invés de ser reta, era toda enrolada como um novelo e tinha se rompido. Era por lá que vazava o sangue e gerava toda esta dor que eu sentia naquele momento.
Meu cérebro estava muito inchado.  Por isso a dor de cabeça. Para melhorar a dor, precisaria de uma intervenção cirúrgica invasiva e para isso o cérebro tinha que desinchar. Comecei a tomar remédio na veia para desinchar o cérebro e me mantiveram sedado na UTI nesse período.  Quando tentavam diminuir a sedação, eu reclamava muito de dor e logo aumentavam as taxas dos sedativos. Depois de quase 10 dias sedado, esperando o cérebro desinchar, fui para a sala de cirurgia. Foram quase 10 horas de cirurgia até que veio o laudo. A Ma formação congênita foi resolvida.


 Foram muitos e intermináveis dias que eu fiquei internado, entre UTI, semi-intensiva e quarto comum e mais um longo período de recuperação em casa.
 Ao chegar no hospital, ainda no pronto-socorro, tive a minha primeira convulsão da vida. Tive algumas no período em que estive internado e pós hospital tive algumas outras.
 Durante muitos anos tive crises parciais simples. São ondas neurais desorientadas, que causam alguns sintomas. Visão dupla, dificuldade na fala e desorientação espacial, causando uma dificuldade de andar durante as crises parciais. Graças a D's , fazem anos que não tive mais problemas.
Hoje em dia os medicamentos anticonvulsivantes que tomo diariamente estão controlados e não tenho tido mais problemas.


 Uma das reações adversas de um dos anti-convulsivantes que tomo diariamente é a formação de trombos. Por causa disso tenho problemas de circulação de sangue. Ja tive que ser hospitalizado por mais de uma vezes, em função da formação de trombose, para ficar no hospital em observação.
 Por causa da cirurgia na cabeça, perdi parte da visão. O nervo ótico que coordena a parte direita da visão , durante a cirurgia teve de ser rompido e não ha nada a fazer nos dias de hoje. Enxergo com os dois olhos, metade. Enquanto uma pessoa que tem a visão completamente saudável enxerga quase 180graus. Enxergo apenas 90graus. Do centro do campo de visão (olhando para frente), para a esquerda, eu enxergo. O lado direito não enxergo nada.
 Por não enxergar o campo de visão direito, não seria prudente da minha parte voltar a dirigir. Pelas leis de transito, uma pessoa que toma medicamentos anticonvulsivantse como o meu caso, não passa no exame médico para tirar habilitação de motorista.
 Tentei por alguns anos dirigir mas depois de muitas batidas, e um grande susto, resolvi parar de tentar dirigir. (Limitações das sequelas do AVC)
 Esqueci de tomar os anticonvulsivantes, em um período de ajuste dos medicamentos e acabei tendo uma crise convulsiva, dirigindo meu carro, em plena Avenida Sumaré. O resgate dos bombeiros conseguiu quebrar a janela do carro para me socorrerem e levarem ao pronto-socorro mais próximo.


 Hoje em dia, tenho as limitações que o avc me colocou, mas fora isso, tenho uma vida supersaudável.
 Após o AVC, eu me formei na faculdade, casei, tive 2 filhos e construí uma família linda.

 E como diz Zeca Pagodinho.......


"Deixa a vida me levar (vida leva eu)
Deixa a vida me levar (vida leva eu)
Deixa a vida me levar (vida leva eu)
Sou feliz e agradeço por tudo que Deus me deu

Só posso levantar as mãos pro céu
Agradecer e ser fiel ao destino que Deus me deu
Se não tenho tudo que preciso
Com o que tenho, vivo
De mansinho, lá vou eu

Se a coisa não sai do jeito que eu quero
Também não me desespero
O negócio é deixar rolar
E aos trancos e barrancos, lá vou eu
E sou feliz e agradeço por tudo que Deus me deu

E deixa a vida me levar (vida leva eu)
Deixa a vida me levar (vida leva eu)
Deixa a vida me levar (vida leva eu)
Sou feliz e agradeço por tudo que Deus me deu"

2 comentários:

Unknown disse...

Oi Davi, tudo bem? Meu marido sofreu um AVC (em 21/09/13)e tbem possui malformação congênita. Na cidade em que moramos, Uberaba, o médico indicou que fossemos para São Paulo fazer uma radioterapia com um médico da Beneficiência Portuguesa, Dr. Evandro. Vc já ouviu falar neste procedimento? Meu marido está bem e sem sequelas. Esta retomando sua vida diária gradativamente. Aguardo sua resposta sobre a radioterapia.
abs
Valeska

Luciana Curi disse...

Parabéns pela sua garra !!! Gostaria de saber quais sequelas o AVC te deixou ?Abs

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

TRANSLATOR

Google-Translate-ChineseGoogle-Translate-Portuguese to FrenchGoogle-Translate-Portuguese to GermanGoogle-Translate-Portuguese to ItalianGoogle-Translate-Portuguese to JapaneseGoogle-Translate-Portuguese to EnglishGoogle-Translate-Portuguese to RussianGoogle-Translate-Portuguese to Spanish
Translator Widget by Dicas Blogger
Edit this page (if you have permission) | Report abuse Google Docs -- Web word processing, presentations and spreadsheets.